anteriores   próximos
 
  Gal ainda, fatal!
19/11/2017

Em DVD, a face roqueira de Gal Costa
19/11/2017

Gal Costa mostra sua face roqueira em 'Estratosférica Ao Vivo'
19/11/2017

Dedé Teicher confere de perto os bastidores da turnê ‘Trinca de Ases’, com Gal Costa, Gilberto Gil e Nando Reis
17/11/2017

Gal Costa pode gravar inédita de Marília Mendonça
17/11/2017

Para Gal, ‘ter um filho foi revolucionário’
17/11/2017

Rock dos tempos da Tropicália inspira Gal Costa
16/11/2017

Transmissão ao vivo do show 'Trinca de Ases' na TV e Internet
16/11/2017

Gal retropical
15/11/2017

Gil, Nando Reis e Gal em São Paulo
13/11/2017

Gal também é fatal
10/11/2017

Vá Se Benzer
10/11/2017

Gal Costa fala de sua versão rock and roll: “Acho interessante mudar e ousar”
10/11/2017

Gal, entre gritos e chifrinhos
08/11/2017

Assusta que o ódio e a censura venham da ‘gente comum’
08/11/2017

 
 
 
 
'Trinca de ases': Show deixa a platéia em êxtase na Barra

O Globo - Blogs - 15/08/2017
 


Deu um conforto danado ver Gilberto Gil cheio de energia, empunhando seu violão com postura rock and roll, no palco do KM de Vantagens Hall (o nome pegou mesmo, pronuncia-se “cáeme de vantagens”). Foi lá o show “Trinca de ases”, em que Gil se apresentou com Gal Costa e Nando Reis, no fim de semana.

O compositor — que no ano passado passou por um intenso tratamento contra uma insuficiência renal — e seus companheiros pareciam estar muito à vontade no palco.

“Está sendo um grande prazer juntar nossos trapos, nossos ‘All Star azul’”, brincou Gil, ao microfone, depois de o trio cantar o sucesso de Nando Reis. Antes disso, Gal já tinha interpretado “Baby”, que emendou com “Diana”, aquela do “Stand by me, Diana”.

Na hora de “Cores vivas”, comandada por Gil, Nando e Gal vão para o fundo do palco e dançam, olho no olho, cúmplices. “Agora, vou cantar para o meu amigo, é minha declaração de amor fraternal”, avisa Gal, dando a deixa para Nando sair do palco, e ela cantar “Meu amigo, meu herói”, com as mãos apoiadas carinhosamente nas costas de Gil.

Luiz Melodia é outro que ganha homenagem, e Gal passa toda a interpretação de “Pérola negra” de braços abertos, olhando para cima, como se cantasse diretamente para ele. Não se ouve um pio na plateia, respeitosa.

É a hora de “Tocarte”, canção que Nando e Gil compuseram para o projeto — e é a vez de Gal se acabar de dançar no fundo do palco.

Ela levanta a barra da calça florida que usa (“Os artistas vestem Gucci”, informara a voz em off antes da apresentação, logo depois dos avisos de praxe: não fotografar com flash, não filmar etc) e samba miudinho.

O ápice do show acontece quando Gal canta “Nada mais”, versão para “Lately”, de Stevie Wonder. É ela entoar “Dessa vez doeeeeu demais” com aquela voz cristalina para a plateia enlouquecer e aplaudi-la de pé. “Casa comigo, Gal!”, grita uma voz feminina na plateia, que vem lá do fundão.

No bis, o público já está de pé e canta junto “O segundo sol", seguido de “Barato total” — tudo a ver com o estado de espírito de quem já se preparava para deixar a casa de show, de alma lavada.
© 2016 Gal Costa     Agenda   Discos   DVD   Fotos   Notícia   Textos   Busca   Estratosférica    Contato para shows
598 registros:  |< < 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11  > >|

  >